terça-feira, 29 de dezembro de 2009

As crianças aprendem o que vivenciam


As Crianças aprendem o que vivenciam
As datas comemorativas tradicionais são sempre um desafio para qualquer escola, pois demanda tempo para planejamento, preparação e execução do planejado e, nem sempre o planejado acontece, mas, até chegar o DIA, toda escola se envolve, saboreando em clima de festa o momento especial da comemoração.
“Tudo apelo comercial” diz a voz da razão, mas tente convencer a meninada que não vai comemorar seu dia... e é por isso que pais, mães, avós e escolas capricham nos preparativos do acontecimento e todos vivenciam momentos de rara emoção e beleza, por mais simples que seja a comemoração.
Da infância, trago a lembrança calorosa dos piqueniques à beira do rio, toalha xadrez estendida na grama, o lanche simples partilhado por todos que ali estavam, a algazarra do banho, as brincadeiras de corrida de saco, cabo de guerra, pau-de-sebo e quebra-pote.Inesquecíveis momentos de alegria que marcaram minha alma de menina de interior, que amava sua escola e tudo que a cercava.
Como professora, organizei tantas, como mãe, fui a tantas, mas sempre fui de opinião que as escolas deveriam canalizar pedagogicamente, com mais afinco, a energia positiva em torno dessa alegria. Não apenas a festa pela festa, mas a festa como espaço educativo para vivenciar o prazer e a alegria, a partilha, a solidariedade, a aprendizagem significativa, lições que certamente estão fora de muitos currículos, de muitas práticas escolares.
Foi com muito prazer que recebi o convite da Escola de Ensino Fundamental Manoel Pedro dos Santos, através de Ana Amélia e Sônia, respectivamente diretora geral e coordenadora pedagógica desta escola da periferia de Maceió, para abrir as comemorações da SEMANA DA FAMILIA NA ESCOLA, idéia brilhante para homenagear as crianças pela passagem de seu dia.
As duas são amigas queridas, colegas que já estiveram em minhas turmas de formação e resolveram juntamente com a equipe da escola, festejar, incluindo aos momentos de cultura e lazer, palestras para pais, mães e alunos. Questões sobre indisciplina, práticas de combate a violência, estatuto da criança e do adolescente, diálogo família e escola estarão no debate da escola em meio às programações culturais e esportivas planejadas para todos.
No meu diálogo com os pais e mães fiz a opção por trabalhar um pouco os papéis que ambos, pais e escola, desempenham na ação de educar. Abri lendo um poema que considero muito significativo para pais e educadores, tecendo considerações em relação ao ato de APRENDER A SER pai e mãe, a ser educadores comprometidos com as vidas sob nossa responsabilidade.
O poema em questão é título do livro AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM*, que recomendo para pais e professores com o intuito de ajudá-los na tarefa prazerosa, mas árdua de ser educador num mundo em que valores fundamentais para a formação da humanidade estão em cheque. Cada capítulo do livro é uma frase do poema e aborda com reflexões e exemplos temas como o respeito, a tolerância, o amor, a autoestima, entre outros.
O aprendizado de ser pai e mãe é constante. O papel de educador/a, tarefa primeira de todos que conscientemente ou não assumiu maternidade e paternidade, é importante demais para ser banalizada. Cabe a nós a responsabilidade da formação de seres humanos e o exemplo de vida, as nossas atitudes e postura ética calam mais fundo nas almas de nossos filhos e filhas que belas palavras vazias de sentido, sem a emoção necessária ao desempenho de papéis de quem se compromete, de quem ama e respeita a si e ao outro.
Obrigada a escola Manoel Pedro pelo acolhimento e respeito a seus alunos e a todas as pessoas que contribuíram com seu trabalho para a realização desta atividade.

O poema, Senhoras e senhores!

AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM

Dorothy L. Nolte

Se as crianças vivem ouvindo críticas, aprendem a condenar.
Se convivem com hostilidade, aprendem a brigar.
Se as crianças vivem com medo, aprendem a ser medrosas.
Se as crianças convivem com a pena, aprendem a ter pena de si mesmas.
Se vivem sendo ridicularizadas, aprendem a ser tímidas.
Se convivem com a inveja, aprendem a invejar.
Se vivem com vergonha, aprendem a sentir culpa.
Se vivem sendo incentivadas, aprendem a ter confiança em si mesmas.
Se as crianças vivenciam a tolerância, aprendem a ser pacientes.
Se vivenciam os elogios, aprendem a apreciar
Vivenciam-se a aceitação, aprendem a amar.
Se vivenciam a aprovação, aprendem a gostar de si mesmas.
Se vivenciam o reconhecimento, aprendem que é bom ter um objetivo.
Se as crianças vivem partilhando aprendem o que é generosidade.
Se convivem com a sinceridade, aprendem o que é veracidade.
Se convivem com a equidade, aprendem o que é justiça.
Se convivem com a bondade e a consideração, aprendem o que é respeito.
Se as crianças vivem com segurança, aprendem a ter confiança em si mesma e naqueles que as cercam.
Se as crianças convivem com a afabilidade e a amizade, aprendem que o mundo é um bom lugar para se viver.

*Ficha técnica

CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM - O PODER DO EXEMPLO DOS PAIS NA EDUCAÇAO DOS FILHOS
NOLTE, DOROTHY LAW e HARRIS, RACHEL - Editora Sextante, 7ª edição
Sinopse
Com mais de 2 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, 'As crianças aprendem o que vivenciam' se tornou referência por apresentar um conceito simples e claro sobre educação: as crianças aprendem o tempo todo com o exemplo dos pais. Seus filhos estão sempre prestando atenção em você. Talvez não ao que você lhes diz para fazer, mas certamente ao que de fato vêem você fazer. Este livro vai levar você a refletir sobre o exemplo que está dando aos seus filhos. Ele traz ensinamentos fundamentais para que os pais ajudem as crianças a lidar com o medo, a hostilidade e a inveja, assim como a desenvolver a autoconfiança, a coragem, o senso de verdade e justiça, o amor e o respeito pelos outros. E não há presente maior para os pais do que assistir ao desenvolvimento da personalidade dos filhos, ver sua beleza brilhar no mundo e saber que contribuíram de modo essencial para a felicidade deles.

http://www.martinsfontespaulista.com.br

EDNA LOPES

Publicado no Recanto das Letras em 07/10/2009

TENHO PROFUNDO CARINHO COM AS CRIANÇAS E ESTOU TEMEROSO QUANTO AO FUTURO DAS MESMAS, POR ISSO REPRODUZI ESTE TEXTO EXCELENTE DA SRA. EDNA LOPES. É TEMPO DE REFLETIR PERTO DA CHEGADA DE MAIS UM ANO. FELIZ 2010 AOS SEGUIDORES E AMIGOS DESTE BLOG!!!

7 comentários:

Solange e Alessandro disse...

É a pura verdade, sei disso sou mãe de uma filha de quase 7 anos e Tia de uma pancada de sobrinhos e por eles, sei que o texto ai é a pura verdade. Mais tarde a personalidade da criança e firmada em bases vivenciada nos primeiros 8 anos de vida.

Principe Encantado disse...

Pura verdade, elas são a continuidade, e o continuismo já diz tudo.
Abraços forte

LISON disse...

Saudações!
Excelente Post!
Amigo, a mensagem é profunda, além de conscientizadora é extremante educativo... Quanto ao poema é uma obra prima que deveríamos guardá-lo na cabeceira da cama!
Parabéns pelo excelente Post!
Abraços,
LISON.

Ebrael Shaddai disse...

É justamente a falta de estímulo por parte de alguns pais que torna difícil projeto educacional bem-intencionado de inclusão dessas vivência saudáveis.

Os pais estão muito omissos, pelo menos boa parte deles, seja lá por que razões forem!!

Eu tbmtenho boas lembranças: concursos de dança na escola, projetos de ciências, gincanas, jogos interescolares, concursos de redação...muitas boas lembranças!!

Abçs e sucesso em 2010!!

Edson Palma disse...

É meu caro amigo,tenho uma menina,e às vezes até às pequenas discussões entre mim e minha esposa,trás à tona a idéia de se minha filha não está realmente filtrando nossos trejeitos,inflexões,e expressões,pois sómos os primeiros educadores,depois vêm às escolas...Espero tudo de bom também em 2010,para tôdos os pais do mundo que amam seus filhos!!!

Sissym disse...

Amigo, vc nem imagina o quanto este texto é importante para mim. Eu me cobro muito como dou amor e ensino minha filha que hoje vive em mundos divididos e mudou muito seus costumes e até mesmo temperamento. Eu preciso sempre ficar atenta... mas uma andorinha só não faz verão! bjs

Jackson Rubem disse...

“Tudo apelo comercial” diz a voz da razão, mas tente convencer a meninada que não vai comemorar seu dia... e é por isso que pais, mães, avós e escolas capricham nos preparativos do acontecimento e todos vivenciam momentos de rara emoção e beleza, por mais simples que seja a comemoração."

Destaquei este parágrafo do excelente post porque cita "o apelo comercial". Realmente, chega a ser um exagero a quantidade de feriados que tem no Brasil e o prejuízo que dá a nação. São bilhões de dólares que a nação deixa de ganhar, a cada ano, graças aos feriados. Mas como diz:

tente convencer a meninada que não vai comemorar seu dia...